Como fazer o fluxo de caixa da empresa em época de crise

João Tosin, co-fundador da Celero, apresenta as principais dicas para empreendedores conseguirem organizar seu orçamento e superar as dificuldades do período. 

A Bcredi apresenta uma série de conteúdos especiais para ajudar empresários e pequenos donos de negócio a minimizarem as dificuldades financeiras em meio à crise. Nesse artigo, trazemos as dicas do João Tosin, co-fundador da Celero, empresa parceira da Bcredi que apoia empreendedores com uma plataforma integrada de gestão financeira. 

Um dos primeiros pontos destacados por João é que o controle do fluxo de caixa deve ser uma das prioridades para qualquer gestor, precisa estar 100% em dia sempre, não apenas em momentos de crise. Em seguida, ele explicou como fazer isso na prática, principalmente em meio à pandemia de COVID-19, que está obrigando muitos empreendedores a fecharem as portas e cortar gastos. 

Custos fixos obrigatórios

O primeiro passo, de acordo com João, é separar sua análise sobre os custos da sua empresa. No primeiro momento você vai olhar para as contas inegociáveis, como o salário dos seus funcionários. “A palavra de ordem é responsabilidade, pensar em quem tá nessa batalha junto com você. Valorize as pessoas que estão com você nessa luta. Todos precisam sustentar suas famílias e têm contas para pagar, reconheça e valorize sua equipe. Vale mais a pena negociar pagamento para contar com essas pessoas depois que tudo isso passar do que dispensá-las”, afirma.

Como alternativas de negociação de benefícios e salários, João citou algumas decisões do governo federal que podem ajudar pequenas empresas a conseguir um equilíbrio. “O artigo da medida provisória que permitia o corte de pessoas foi revogado, então o empresário não pode fazer esses cortes deliberadamente. As alternativas são antecipações de feriados ou férias. Isso foi facilitado, já que o prazo para avisar essas férias passou a ser de 48 horas, e a remuneração das férias, que continua sendo obrigatória, pode ser paga até o quinto dia útil, não precisando mais ser antecipado”, explica.

Custos negociáveis

Num segundo momento, João recomenda que se avalie os gastos que não afetam diretamente seu produto ou a sua entrega e que podem ser negociados. “É preciso negociar com seus fornecedores, não apenas sair cortando ou não realizar os pagamentos, porque se todo mundo cortar tudo, aí sim o mercado vai parar. Não suma, deixe claro a situação, converse com seus fornecedores, todos estão passando por essa crise. Muitas empresas estão tendo sucesso nessas negociações, até mesmo com os grandes bancos”. 

João também citou outra medida do governo federal que pode ajudar pequenos empreendedores a revisar seus custos. “O pagamento do Simples Nacional foi adiado. Então os vencimentos referentes a março, abril e maio deste ano ficam postergados para outubro, novembro e dezembro, respectivamente. Isso não quer dizer que não existirão, você apenas pagará depois, para ter esse fôlego para organizar seu caixa. O mesmo acontece com o pagamento do FGTS”.

Adaptação para seguir em frente

No relacionamento com os clientes e as vendas, João também aposta na inovação. “As pessoas vão continuar consumindo mesmo nesse período de crise, o que vai mudar é a forma como elas irão consumir, então você precisa se adaptar. Sempre é possível mudar a oferta do seu produto. Logicamente a receita diminui, mas ela não zera”, aconselha.

A dica principal é não parar, não existe gestão do que está parado. “Estamos tentando amenizar uma crise, então a principal dica é não parar. Colocar a criatividade em prática, descobrir novas formas de prestar seu serviço, montar um time remoto, vender pela internet, pensar em soluções para que o seu cliente continue consumindo”, aponta.

Por fim, mesmo que fazer alguns cortes seja inevitável, foque em não fazer nenhum grande investimento até que essa crise se normalize. “Caso você realmente não tenha dinheiro em caixa, continue sendo transparente e deixando as decisões muito claras para minimizar os impactos. Honestidade e transparência são fundamentais nesse momento”.

E aí? Gostou das dicas do João Tosin? Se quiser se aprofundar, confira o vídeo com o bate-papo completo e mais dicas!

Bruna Bill

É formada em Jornalismo e está sempre atenta ao contexto econômico, refletindo sobre como essas questões impactam as finanças dos brasileiros. É apaixonada por pessoas e conta nossas histórias de sucesso, com relatos que vão muito além do empréstimo, mostrando como o Crédito com Garantia de Imóvel da Bcredi mudou a vida dos nossos clientes.

Visualizar todas as publicações

Um jeito descomplicado de você acompanhar as novidades do nosso blog.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *