Você sabe quais dívidas podem te tirar o sono?

Descubra neste artigo quais os riscos que suas dívidas trazem e como se livrar delas de um jeito inteligente e saudável, com o crédito certo. 

As dívidas tiram o sono de milhões de brasileiros, que sofrem de ansiedade e até mesmo depressão por causa do endividamento. Quem está nessa situação, seja por descuido com as finanças pessoais ou por algum contratempo com relação ao emprego, à empresa própria ou mesmo à saúde, precisa ter a cabeça fria para conseguir colocar as contas em dia e sair desse pesadelo. O primeiro passo é identificar quais são as dívidas mais perigosas, isto é, aquelas que possuem os juros mais altos e podem se transformar em uma bola de neve.

Mas como identificar isso, já que, de certa maneira, toda dívida atrasada gera ansiedade e problemas financeiros? O que é preciso fazer para perceber quais são as dívidas que tiram o sono? Neste texto, vamos explicar como identificar quais são as dívidas mais perigosas, como organizar a saúde financeira e apresentar alternativas para sair do endividamento. 

Esse tema é tão sério que muitas pessoas ficam doentes e com depressão por causa de dívidas por conta de problemas causados pelo endividamento. Quem chegou nessa situação precisa dar um basta! Saiba que é possível, sim, sair do vermelho mesmo que com pouco dinheiro.

Baixe a sua planilha financeira pessoal

Saiba com quais dívidas você deve se preocupar primeiro

Não tem segredo. As dívidas mais perigosas são aquelas que cobram os juros mais altos. Isso porque esse tipo de conta possui maior chance de se tornar uma “bola de neve” caso você não consiga pagar, pois a cobrança de juros é diária.

Exemplos de dívidas com juros exorbitantes são aquelas do cartão de crédito e do cheque especial. Segundo dados de outubro de 2019 do Banco Central, a taxa média do rotativo do cartão de crédito chegou a 307,8% ao ano e os juros do cheque especial 307,6% ao ano. Nesses casos, uma pessoa que utilizou R$ 1.000 no cheque especial terá uma dívida, no final de um ano, multiplicada mais de quatro vezes, pagando cerca de R$ 4.057,59, sendo mais de R$ 3 mil apenas de juros.

Outras dívidas perigosas são aquelas de financiamento imobiliário ou de carro, já que na maioria das vezes o bem fica alienado como garantia de pagamento. Se o devedor não quitar o débito, ele corre o risco de perder a casa ou o carro. 

Por isso, quem se encontra em um furacão de dívidas precisa priorizar esses pagamentos, fazendo o possível para liquidá-los rapidamente.

Identifique, separe e organize suas dívidas

Para ficar ciente de como está sua saúde financeira, o primeiro passo é identificar todas as suas dívidas. Faça um levantamento de todas as contas em aberto, anote quais as taxas de juros cobradas em cada uma delas e tenha um panorama sobre as dívidas. Esse levantamento pode ser feito com anotações em um papel ou utilizando ferramentas e aplicativos para fazer controle financeiro.

Você vai observar que as dívidas mais perigosas são aquelas que, como já comentamos anteriormente, cobram os juros mais altos. O ideal é não ter vergonha e ir em busca de uma renegociação justa, inclusive amparada pelo Código de Defesa do Consumidor. 

Vale a pena apertar um pouco o orçamento doméstico, deixando despesas superficiais de lado por um tempo — você vai sobreviver sem ir duas vezes na semana naquele restaurante de comida japonesa ou se deixar de tomar um cafezinho com pão de queijo todos os dias na padaria.

A partir do momento que você já possui tudo mapeado e sabe quais são suas dívidas, use uma planilha de controle financeiro para anotar todos os gastos do mês. Até mesmo a compra de um chicletes deve ser lançada na planilha, ok? Isso vai trazer clareza e, no final de cada período, você vai perceber onde está gastando mais e reajustando sua rotina.

Uma dica também é sacar o dinheiro que tem para gastar no mês e usar tudo em cash. Ao ver seu dinheiro “desaparecendo” com despesas bobas, você vai mudar a maneira como gasta sua renda. Veja nossas dicas para se livrar de vez das dívidas e aprenda mais sobre como é possível cuidar do seu dinheiro.

aqui as parcelas não pesam no bolso

Entenda como as dívidas funcionam

Uma dívida é uma conta que um cliente tem em aberto. Cada empréstimo, financiamento ou até compra a prazo possui condições e taxas de juros diferentes. Dessa forma, uma dívida é composta pelo valor original da conta a ser paga mais os juros, que incidem diariamente ou mensalmente durante o período da dívida.

Quando o pagamento parcelado de uma dívida é feito, o cliente está pagando uma parte do saldo devedor mais uma parte dos juros. O problema se torna aquela bola de neve quando uma dívida não é paga, isso porque existe a incidência de juros contratuais, de multas e de encargos que aumentam ainda mais o saldo devedor.

Com os juros correndo e o valor da dívida aumentando, o devedor começa a pagar juros sobre esse novo valor devido.

O que acontece se eu não pagar meu empréstimo?

Suponha que você tenha feito um empréstimo pessoal e não pagou as parcelas como foi o combinado. A primeira coisa que acontece quando não se paga um empréstimo é ser negativado em empresas como Serasa e SPC Brasil. 

Com o nome sujo, começa a ficar mais difícil conseguir outro empréstimo — porque você não pagou aquela dívida, quem garante que agora pagará? Percebe a bola de neve que isso também se transforma? Ao não pagar um empréstimo pessoal, a cobrança de juros diários faz com que a dívida cresça consideravelmente. Quem não paga uma dívida também pode ter seu nome protestado em cartório, uma formalização de negativação que gera mais dor de cabeça e despesas. 

Se o empréstimo realizado foi para a compra de uma casa ou de um automóvel, por exemplo, esses bens ficam alienados como garantia de pagamento da dívida. Se não quitar o débito, a pessoa pode, sim, perder o bem para o banco ou outra instituição credora.

Baixe o infográfico e veja o passo a passo para contratar o seu empréstimo online

O que acontece quando uma dívida é protestada em cartório?

Quando uma dívida não é paga, o devedor tem o nome sujo no SPC e Serasa e, além disso, ainda pode ter o nome protestado em cartório. Isso significa que a empresa credora registrou essa dívida em um cartório.

Um protesto é uma formalização da dívida e uma maneira de divulgar que aquela pessoa é inadimplente. Por ser feito em cartório, o protesto é fiscalizado pelo Poder Judiciário, respeitando-se assim os direitos dos usuários, tanto de quem deve quanto de quem cobra.

Os protestos geralmente ocorrem quando não se paga o aluguel, um contrato de prestação de serviços, boletos em geral, alguma sentença judicial e até quando cheques são devolvidos.

Com o nome protestado em cartório, todas as complicações de ter o nome sujo na praça aumentam ainda mais, já que o devedor fica impedido de solicitar novos empréstimos até que a dívida seja liquidada.

Nem sempre quando uma pessoa está com o nome sujo no Serasa ela também estará com o nome protestado em cartório, ok? Para saber isso, é necessário consultar o CPF no SerasaConsumidor. Assim, será possível ver em qual cartório o nome foi protestado. Para quitar essa pendência, o devedor precisa ir ao cartório para saber quem o protestou e conferir mais informações sobre o débito em aberto.

Os próximos passos são: pagar a dívida, pedir ao credor a carta de anuência e levar esse documento ao cartório para solicitar a baixa do protesto em seu nome. O cartório tem 5 dias úteis para enviar essa carta de anuência ao Serasa que fará a baixa. Lembre-se que os serviços do cartório têm taxas, informe-se sobre os valores para evitar surpresas.

O que acontece se eu não pagar uma dívida protestada?

Quando um devedor tem o nome protestado em cartório, essa pessoa fica impossibilitada de fazer concursos públicos, de financiar imóveis e até mesmo de construir e regularizar a casa. Além de ficar negativado no Serasa e no SPC, com o nome bloqueado para conseguir novos créditos.

empréstimo com taxas lá embaixo

Quantos anos leva para caducar uma dívida com o banco?

Você já deve ter ouvido alguém falar “não vou pagar essa dívida porque daqui 5 anos ela caduca e eu tô livre”, certo? Muita calma nessa hora, porque a história não é bem assim!

Segundo o Artigo 205 do Código Civil, toda dívida tem um prazo para ser cobrada/prescrever e esse tempo é de 5 anos. Após esse período, a dívida caduca. O que muita gente confunde e erra feio é que isso não significa que após 5 anos sua dívida vai desaparecer.

Na verdade, acontece o seguinte: após esses 5 anos, sua dívida caduca e sai de listas de não pagadores do Serasa, por exemplo.  Ou seja, ela não fica mais disponível no mercado de crédito. Mas a sua dívida ainda existe, sim, lá com a empresa credora. Não pense que após caducar você se livrará da conta, ok?

Vai acontecer do seu score na Serasa melhorar, já que seu nome saiu da lista de não pagadores para o mercado de crédito. Entretanto, caso essa dívida seja com um banco, as chances de você ser prejudicado no futuro ao precisar de um novo crédito nessa instituição são grandes. Não pense que as outras empresas que disponibilizam créditos usam apenas o score do Serasa ou SPC Brasil como fonte de informação sobre devedores.

Como quitar suas dívidas e não correr riscos

Não tem jeito: para quitar suas dívidas mais perigosas e não correr riscos de ficar com o nome sujo ou até mesmo ser protestado em cartório, ter um planejamento financeiro bem definido é essencial.

Saber quanto se ganha por mês e ter ideia real e honesta de todos os gastos mensais, incluindo despesas fixas e variáveis, é o que vai garantir que todos os débitos em aberto sejam pagos, honrando o compromisso.

Trocar uma dívida pesada por outra com prestações mais saudáveis para seu bolso é sempre uma alternativa inteligente para se livrar das contas. Aqui na Bcredi, você consegue fazer um empréstimo online para se livrar das dívidas com uma das taxas de juros mais baixas do mercado. O dinheiro do empréstimo pode ser usado livremente, para que você possa quitar todas as pendências e trocar dívidas pesadas, como de cartão de crédito, cheque especial ou outra com juros altos, por uma que não comprometa seu orçamento familiar. Isso sem contar na facilidade de unificar suas dívidas em uma só prestação, assim, em vez de ficar pagando boleto por boleto, fatura por fatura de cartão de crédito, você tem só uma parcela de empréstimo para pagar.

É muito fácil, sem enrolação e sem pegadinhas. Faça sua simulação online e gratuita e veja como é possível resolver as pendências financeiras de um jeito leve e seguro.

Bcredi

A Bcredi é uma fintech que oferece Crédito com Garantia de Imóvel com uma das menores taxas do Brasil, de um jeito descomplicado. Nossos conteúdos te ajudam a entender melhor o universo financeiro e a fazer melhores escolhas com o seu dinheiro!

Visualizar todas as publicações

Um jeito descomplicado de você acompanhar as novidades do nosso blog.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *