Saiba se o dinheiro traz felicidade

homem feliz no sofá com chuva de dinheiro e o brilho do sol

Além de ser uma pergunta muito comum e motivo para bastante discussão, é natural refletir sobre a sensação de felicidade e realização que o dinheiro pode nos trazer. Nosso artigo te mostra como o dinheiro pode ser herói ou vilão das nossas emoções e como aproveitá-lo melhor.

Quem está com as contas em dia, guardando dinheiro para a realização dos seus objetivos, sem se preocupar com dívidas, nome sujo ou contas atrasadas sabe o que é uma boa noite de sono, não é? Mesmo assim, existe um ditado popular que diz que dinheiro não traz felicidade, mas muitos brasileiros diriam o contrário, afinal 61 milhões de brasileiros terminaram 2019 com a cabeça quente por causa de dívidas. 

Justificando o estresse dos brasileiros que estão endividados, existem pesquisas que comprovam que existe sim uma relação direta entre depressão e dívidas. Pensando nisso, podemos dizer que dinheiro traz felicidade sim, já que possibilita a realização de diversos desejos e, se bem usado, deixa as contas em dia e ainda garante uma velhice mais tranquila.

Porém, mesmo que você tenha muito dinheiro ainda é possível se sentir frustrado ou insatisfeito e até perder o controle e se afundar em dívidas. Por isso, para acabar com a discussão e responder se dinheiro traz ou não traz felicidade, vamos explicar porque parte da população endividada tem sintomas de depressão, porque o dinheiro gera sensação de felicidade e o que fazer para usar seu dinheiro melhor, não cair em dívidas e ainda gastar com coisas que tragam alegrias mais duradouras.

Dinheiro traz ou não felicidade?

Já diria Paulinho da Viola: “Dinheiro na mão é vendaval, dinheiro na mão é solução…”. Ou seja, pra quem está com dívidas, um dinheiro extra seria a solução para esses problemas e motivo de alegria. Mas há quem esteja com as contas em dia e dinheiro sobrando e, mesmo assim, se sente incompleto ou infeliz e gasta como se não houvesse amanhã. Mas afinal, dinheiro não traz felicidade?

O psicólogo americano Ed Diener, mostra em seu livro Culture and Well-Being: The Collected Works of Ed Diener (Cultura e Bem-Estar: As Obras Coletadas de Ed Diener), de 2009, que os países nos quais as pessoas têm mais riquezas, têm também os menores índices de mortalidade infantil, além de maior investimento em serviços públicos, manutenção de parques, praças públicas e locais de lazer. 

Porém, são locais onde a população também afirma trabalhar muito, o que faz com que nem sempre sobre muito tempo para aproveitar a vida. Portanto, podemos relacionar à felicidade ao dinheiro quando falamos de ter uma vida tranquila, sem preocupações com dívidas e com a possibilidade de pagar por saúde, educação e lazer de qualidade. 

Além disso, outro psicólogo e professor de Harvard, Dan Gilbert, realizou um estudo sobre compras que proporcionam sensação de felicidade e o resultado indica que 34% das pessoas se sentem felizes depois de uma compra de bens materiais e 57% das pessoas têm sensação de felicidade após compras de serviços ou experiências. Isso mostra que o ato de comprar pode sim trazer prazer e bem-estar, mas que investir em experiências que acrescentem algo marcante à sua vida como uma viagem ou um curso acabam trazendo mais felicidade.

Mas também é preciso tomar cuidado pois às vezes o excesso de dinheiro pode trazer excesso de dívidas. Isso acontece quando as pessoas não têm um planejamento financeiro claro e acabam gastando mais do que ganham, mesmo que ganhem muito dinheiro.

Por isso, a resposta para a pergunta “o dinheiro traz felicidade?” é: se usado com consciência, sim. Quando investimos dinheiro na realização de grandes sonhos e objetivos, crescimento pessoal e profissional e ainda conseguimos manter a vida financeira organizada o dinheiro pode sim ser um grande aliado da sua saúde física, mental e emocional.

Baixe a sua planilha financeira pessoal

Quais os benefícios de ter dinheiro?

De acordo com as pesquisas que comentamos anteriormente, alguns assuntos aparecem ligados ao bom uso do dinheiro e, consequentemente, à sensação de felicidade e bem-estar. Por isso, listamos 3 tipos de bons investimentos que o dinheiro pode proporcionar, além da tranquilidade de ter as contas em dia, é claro. Confira a seguir:

Saúde e educação de qualidade

Infelizmente, nem sempre é possível ter acesso à serviços de saúde e educação gratuitos e com qualidade. Por isso, quando você tem dinheiro, pode ter acesso a um plano de saúde que cubra desde consultas até grandes procedimentos emergenciais e pagar por boas instituições de ensino.

Crescimento profissional e pessoal

Além de educação básica de qualidade, o dinheiro também garante a entrada em uma faculdade, cursos de idiomas e cursos profissionalizantes. Todas essas experiências são oportunidades que nem todas as pessoas têm e podem fazer diferença na realização dos seus objetivos e crescimento pessoal e profissional.

Lazer e boas experiências

Além de investir em conhecimento, usando o dinheiro com consciência é possível fazer viagens, conhecer novos lugares e culturas. Essas experiências são enriquecedoras porque ampliam nossa visão de mundo e nosso repertório cultural e pessoal.

Quais são os malefícios de não saber controlar o dinheiro? 

De acordo com uma pesquisa realizada pelo SPC – Serviço de Proteção ao Crédito, 70% das pessoas que estão com dívidas sofrem com depressão ou ansiedade. No outro extremo desse cabo de guerra entre o uso consciente do dinheiro e o descontrole estão os comportamentos compulsivos. 

Mesmo não contraindo dívidas, compras sem necessidade trazem a sensação imediata de prazer e podem viciar, fazendo com que comprar vire uma compulsão, um vício por essa sensação rápida de alegria que, quando passa, pode trazer um forte sentimento de frustração e vazio, quase como uma crise de abstinência.

Baixe o checklist e dê o primeiro passo para controlar melhor o seu dinheiro

Ficar endividado pode afetar a felicidade?

Como você já sabe, boa parte da população brasileira que têm dívidas apresenta sintomas de depressão ou ansiedade. Sentimentos de culpa pelos gastos excessivos, falta de controle do próprio dinheiro, insatisfação e um medo profundo de não conseguir quitar as dívidas e sair do vermelho estão presentes no dia a dia de quem está endividado. Essa angústia afeta diretamente a auto confiança e auto estima e, consequentemente, faz com que as pessoas achem que não são capazes de se reorganizar e tomar as rédeas das suas finanças novamente.

Isso pode trazer problemas de saúde como aumento da pressão arterial, úlceras, insônia e mudanças de humor. Além de influenciar inclusive na sua relação com as pessoas mais próximas trazendo em algumas vezes mais conflitos familiares e também perda de concentração e diminuição do desempenho no trabalho.

Dicas para usar o dinheiro com consciência 

Como falamos, o dinheiro pode sim trazer felicidade se for bem usado. Por isso, vamos listar 5 dicas para você aproveitar melhor seu dinheiro e garantir que está investindo não só em bens materiais mas principalmente no seu bem-estar contínuo.

Deixe as contas em dia

Se você está endividado, o primeiro passo para sair da crise financeira e da angústia que isso traz é quitar as dívidas e organizar bem a sua vida financeira. Você deve estar pensando “tá, mas por onde eu começo se eu não tenho dinheiro?”. Calma! 

Se for preciso, você pode contratar um empréstimo e trocar as dívidas caras como as do cartão de crédito por uma dívida mais barata: a parcela de um empréstimo com garantia de imóvel, por exemplo, que está entre as taxas de juros mais baixas do mercado e ainda têm prazos longos e condições flexíveis de pagamento. 

Além disso, você pode usar a nossa planilha de finanças pessoais para organizar suas despesas e retomar o controle do seu dinheiro.

Crie uma reserva de emergência

Depois de colocar as contas em dia e sair do vermelho, é hora de criar uma reserva para as horas de desespero. Todo mundo está sujeito a ter um gasto inesperado com um reparo na casa, conserto no carro ou até uma emergência de saúde. Por isso, é muito importante ter um valor guardado para imprevistos. 

Invista em você

Contas em dia, ok. Reserva de emergência, ok. Então aproveite para investir em você! Se dar ao luxo de gastar mais com a sua alimentação, um curso novo ou bons momentos de lazer vão contribuir para a sua qualidade de vida. 

Para não perder o controle, você pode usar a técnica 50/30/20 para dividir seus gastos essenciais, supérfluos e o valor que vai para a poupança. Assim você paga todas as contas, investe no seu bem-estar e ainda consegue guardar dinheiro.

Baixe a planilha e organize a viagem dos seus sonhos

Poupe para realizar seus sonhos

Sabe aquela viagem dos sonhos ou aquele plano antigo de comprar um carro? Eles também merecem a sua dedicação. Depois de organizar suas contas e dividir seus gastos e o valor que vai poupar, não esqueça de separar uma parte para a realização desses sonhos antigos. Com isso, você vai sentir que seu dinheiro está sendo usado com um propósito maior e terá uma sensação de felicidade prolongada.

Pense no futuro

Todo mundo quer uma velhice tranquila, não é? Por isso, é importante começar a poupar o quanto antes, para ter uma reserva para o futuro e garantir conforto e bem-estar a longo prazo.

Conclusão 

Já sabemos que o dinheiro pode trazer alegria mas pode trazer muito estresse, só depende da forma como você lida com ele. Por isso, assuma já o controle da sua vida financeira e use seu dinheiro com consciência para manter o controle das finanças, fugir das dívidas e investir em experiências que te tragam felicidade duradoura.

Bcredi

A Bcredi é uma fintech que oferece Crédito com Garantia de Imóvel com uma das menores taxas do Brasil, de um jeito descomplicado. Nossos conteúdos te ajudam a entender melhor o universo financeiro e a fazer melhores escolhas com o seu dinheiro!

Visualizar todas as publicações

Um jeito descomplicado de você acompanhar as novidades do nosso blog.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *