Depressão por causa de dívidas pode ter solução

remédios para depressão
Caique Cabral

10 de julho de 2019

Atualizado em: 18 de outubro de 2019

Você está sem dinheiro para pagar as dívidas e tem sofrido com isso? A solução pode estar aí, pertinho de você. Entenda!

Você já se viu em situações as quais: o telefone não para de tocar com ligações de credores querendo saber quando aquela conta será paga — você nem os atende mais. A luz pode ser cortada a qualquer momento. Quem está endividado pode sofrer com a ansiedade, o estresse e a pressão por não estar com as contas em dia. Em muitos casos, pessoas chegam a ter depressão por causa de dívidas, já que a questão financeira influencia totalmente a saúde mental.

Com a economia frágil no país, está cada vez mais comum encontrar pessoas com desânimo por falta de dinheiro, já que o salário mal sobra para as despesas básicas, e com problemas causados pelo endividamento, seja porque você perdeu o emprego e ainda não conseguiu se recolocar no mercado ou até mesmo porque não sabe como se organizar financeiramente. Aquela expressão que diz que “as dívidas tiram o sono das pessoas” é verdadeira e gera bastante dor de cabeça e problemas graves de saúde.

Índice de inadimplência no Brasil

Segundo pesquisa realizada em abril de 2019 pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), o país encerrou o mês com 62,6 milhões de pessoas negativadas, um dado que representa mais de 40% da população adulta brasileira

O estudo ainda revelou que a maior parte das pendências (52%) está relacionada aos bancos, envolvendo dívidas com cartão de crédito, cheque especial, financiamentos e empréstimos, que geralmente têm taxas de juros exorbitantes. O não pagamento de dívidas como essas transforma-se em uma grande “bola de neve”, já que são juros cobrados em cima de juros. Em seguida, aparecem os segmentos do comércio (17%), de comunicações (12%) e de água e luz (10%).

Mais da metade dos inadimplentes têm entre 30 e 39 anos. De acordo com Roque Pellizzaro Junior, Presidente do SPC Brasil, “é justamente nessa fase da vida em que a corrida ao crédito acaba sendo inevitável, pois muitos já constituíram família, possuem filhos e assumem mais compromissos financeiros. Em um momento de crise, pode ser difícil equilibrar o orçamento se não houver controle e disciplina”.

Problemas causados pelo endividamento

As consequências de um endividamento são grandes, podendo ocasionar a perda de um patrimônio, a venda de bens para quitação da dívida, além do pagamento de juros exorbitantes e multas punitivas, tornando-se uma verdadeira bola de neve.

A partir do momento que a pessoa tem o nome negativado em um cadastro de restrição de crédito, como o Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), as chances dessa pessoa conseguir crédito na praça novamente reduzem, fazendo com que o problema causado pelo endividamento e cobranças só aumente. Recebendo cobranças e vivendo com uma sensação de alerta constante de estresse e de preocupação com dívidas, doenças mais sérias podem aparecer. É aí que o perigo começa!

Desencadeamento da depressão

Em 2016, a USP fez uma pesquisa com pessoas que tinham dívidas pendentes. O resultado mostrou que 80% dos entrevistados sofriam com ansiedade e depressão por causa de dívidas. Se o país tem quase 63 milhões de endividados, praticamente 50 milhões de pessoas sofrem com a doença e isso reflete em uma série de problemas no dia a dia.

Para entender mais sobre o tema, conversamos com a psicóloga Denilse Cunha, do Espaço Terapêutico Viva o Hoje. Segundo ela, “os principais sintomas presentes nas pessoas depressivas com a questão de endividamento são insônias, aumento da pressão arterial, mudanças de humor e também conflitos familiares, já que a questão financeira engloba muito o bem-estar e a vida social”.

Denilse ainda comenta que “o corpo fala e vai dando sinais. Quando a pessoa está endividada e as cobranças começam, isso vai gerando um estresse que, se não cuidado, vai gerar uma ansiedade maior, desencadeando em sentimentos de tristeza. Muitas vezes, a pessoa não percebe isso e só nota quando começa a se isolar ou a não querer mais sair de casa. Cada organismo reage de um jeito diferente, mas uma pessoa endividada tem, sim, mais chances de ter depressão”.

A psicóloga ainda comenta que outras doenças também podem se desenvolver, isso porque “muitas pessoas chegam também com úlceras, vindo por encaminhamento médico. Elas desenvolvem a doença devido ao estresse e ansiedade gerados pelo fato de não conseguirem pagar uma dívida, de sempre estarem enroladas, de não conseguirem se organizar para pagar e não terem condições de se restabelecer”.

Denilse explica que “as chances de uma pessoa com baixa autoestima ter problemas financeiros também é grande, já que muitas vezes esses indivíduos desencadeiam processos de compulsão por compras, no qual a pessoa não se organiza e não se planeja referente ao seu orçamento, querendo ter um status que não é seu para compensar esse problema”.

Como sair das dívidas

Para evitar o efeito “bola de neve”, o ideal é priorizar o pagamento de dívidas com os juros mais elevados, que geralmente são as dívidas bancárias e do cheque especial.

Uma opção que pode ser analisada é a substituição da dívida por uma outra que cobra juros mais baixos, como acontece com os empréstimos feitos na Bcredi.

O Crédito com Garantia de Imóvel da Bcredi é uma modalidade que permite a você utilizar seu imóvel para obter um dinheiro de alto valor, sem precisar vendê-lo. Dentre as vantagens estão as parcelas com juros baixos e prazo de pagamento longo, tudo feito em um processo 100% online que diminui a burocracia.

Como não se endividar

Para não se endividar, o primeiro passo é aprender mais sobre educação financeira e descobrir que cuidar do seu dinheiro não é tão complicado quanto imagina. A partir do momento que você passa a ter uma relação saudável com as suas finanças pessoais, fica mais fácil gerenciar seu orçamento.

Para te ajudar nessa tarefa, confira a checklist de boas práticas de educação financeira. Assim, você vai aprender boas práticas de orientação financeira que refletem no seu dia a dia e também no planejamento mensal, além de garantir melhor o controle de gastos e contas, terminando o ano no azul.

Se preferir, baixe gratuitamente a planilha de finanças pessoais, que ajuda você a organizar suas contas para economizar uma graninha que pode se reverter em investimentos.

Ter depressão por causa de dívidas é algo muito sério e atinge uma parcela grande de pessoas que estão endividadas no Brasil. Você não precisa perder o sono por causa de problemas com falta de dinheiro! Vem pra Bcredi que nós podemos te ajudar, oferecendo empréstimos com as melhores taxas do mercado para você sair do vermelho e organizar sua saúde financeira.

Caique Cabral

Formado em marketing e amante das letras, vejo o conteúdo como uma fonte de informação que nunca seca. Escrevo sobre finanças para além de números, sempre em busca das melhores soluções para a vida financeira das pessoas.

Um jeito descomplicado de você acompanhar as novidades do nosso blog.

Comentários

4 respostas para “Depressão por causa de dívidas pode ter solução”

  1. ivone camassola disse:

    Preciso de din pra pagar minhas dívidas estou doente já por não conseguir pagar

  2. Gilmar caetano da Silva disse:

    Preciso de ajuda p pagar dividas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *